Tuesday, 20 de October de 2020
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube

Projeto Jovem Guardião

 

  • Apresentação 

Proporcionar uma nova experiência de vida aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa é um dos objetivos do Projeto Jovem Guardião, uma parceria da Pastoral da Juventude (PJ) da Arquidiocese de São Luís do Maranhão e da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), do Governo do Maranhão. Com atividades lúdicas de teatro, música e dança, os socioeducandos tem momentos de reflexão sobre a sua trajetória de vida para construir um novo começo, um novo Projeto de Vida. A reinserção dos socioeducandos na família e sua comunidade de origem são também o foco do Jovem Guardião.

O Projeto Jovem Guardião é realizado, atualmente, por meio das Paróquias: Divina Providência – Cidade Operária; Santíssima Trindade – Cidade Olímpica; Nossa Senhora da Boa Viagem – da BR; São José dos Migrantes – BR; São João Calábria – Jardim América; Nossa Senhora de Fátima – Vila Luizão; Nossa Senhora da Penha – Anjo da Guarda; Santa Terezinha – Filipinho; e Espírito Santo – Alto Timbira. Espera-se que mais paróquias deverão aderir ao projeto.

Além da realização das atividades, a principal responsabilidade dessas igrejas é acolher e acompanhar os jovens egressos do sistema socioeducativo na comunidade. Neste processo, acredita-se que, todos os envolvidos saem transformados. Mais de 100 jovens da PJ participam da ação e a experiência é muito significativa para eles também.

Apesar da PJ ser uma pastoral da Igreja católica, a proposta do projeto não é desenvolver assistência religiosa aos adolescentes e jovens das unidades da FUNAC. O projeto vai muito além: propõe construir junto com os adolescentes seu Projeto de Vida e acompanha-lo fora da Unidade, na condição de Egresso; mapear e dialogar a rede de serviços que possam atender os adolescentes e jovens nas comunidades; sensibilizar as comunidades a fim de que se tornem mais acolhedoras e desmitifiquem preconceitos e tabus em relação as medidas socioeducativas; entre outras questões.

O Projeto iniciou suas atividades em julho de 2016 nas seis Unidades da FUNAC da região metropolitana, com o foco na reinserção dos socioeducandos na família e em suas comunidades de origem.

 

  • Objetivos 
  1. Geral:

– Desenvolver um processo de acolhimento integral dos/as adolescentes e jovens egressos das Medidas Socioeducativas que contribua com a construção do seu projeto de Vida e o fortalecimento dos vínculos familiar e comunitário.

    2. Específicos:

– Acolher os/as adolescentes e jovens egressos das Medidas Socioeducativas construindo relações de afetividade;

– Acompanhar a construção e a Implementação do Projeto de Vida, fortalecendo a autonomia e as habilidades para a vida;

– Despertar nas comunidades o sentimento de pertencimento e responsabilidade pelos adolescentes e jovens egressos;

– Construir um ambiente seguro para os/as adolescentes e jovens egressos nas “Comunidades Guardiãs”.

 

  • Público de interesse

O público direto do projeto são dois:

– Os/as adolescentes e jovens, de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas nas unidades da FUNAC, sentenciados pela justiça;

– E os/as jovens da Pastoral da Juventude das Paróquias envolvidas no Projeto.

 

  • Plano de Ação

1ª FASE: SONHAR – Essa fase é o ponto de partida da implementação do Projeto. Consiste a elaboração e planejamento da proposta, reuniões e Encontros entre a PJ e a FUNAC, visita às Unidades, planejamento da atuação das paróquias entre os jovens guardiões e as equipes técnicas das Unidades.

Primeiro Passo: Conhecer as Unidades, conhecer os adolescentes e jovens infratores;

Segundo Passo: Reconhecer, sendo sua tarefa pensar a sua ação na Unidade;

Terceiro Passo: Planejar, a atuação dos “Jovens Guardiões”.

2ª FASE: SENSIBILIZAR – Essa fase objetiva sensibilizar e motivar os atores essenciais e estratégicos a fim de que sejam atingidos os objetivos e resultados do Projeto. Destaca-se a Igreja católica, os órgãos do poder público do estado e dos municípios da rede Socioassistencial, a FUNAC, bem como a sociedade em geral.

Primeiro Passo: FUNAC;

Segundo Passo: Igreja;

Terceiro Passo: Poder Público e Sociedade;

Quarto Passo: Viralizar.

3ª FASE: FORMAÇÃO – essa fase visa desenvolver formação aos/as Jovens Guardiões/ãs que atuarão diretamente nas Unidades com os adolescentes e jovens infratores, a fim de que tenham uma compreensão razoável sobre a Socioeducação, entre outras temáticas pertinentes.  

Primeiro Passo: As Medidas Socioeducativas;

Segundo Passo: Convivência Familiar e Comunitária;

Terceiro Passo: Projeto de Vida / Habilidades para a vida;

Quarto Passo: Práticas Restaurativas.

4ª FASE: CATIVAR – essa é a fase do encontro. Depois das reuniões e do planejamento finalmente é chegado o momento do encontro entre os “Jovens Guardiões” e os “Jovens Protegidos”. É a arte do encontro. O Kairós! A missão das Paróquias Guardiãs é cativar os/as adolescentes e jovens infratores das Unidades da FUNAC: como se aproximar, o que priorizar nesse primeiro momento, a importância da acolhida, do encontro, ser referência positiva, ser luz!

Primeiro Passo: Acolher;

Segundo Passo: “Rever a rosa” – nesse segundo passo o planejamento elaborado para as atividades na Unidade é colocado em prática;

Terceiro Passo: Re-Descobrir a Vida – construir o seu Projeto de Vida.

5ª FASE: ACOMPANHAR – nessa fase reside a essência do projeto: acompanhar os adolescentes e jovens egressos das unidades. Cada ação, cada passo é milimetricamente importante. Após os primeiros contatos nas Unidades, como promover uma acolhida e um espaço seguro nas comunidades de origem dos/as adolescentes e jovens? Como vencer o desafio do preconceito? Como cuidar das famílias? E o projeto de vida, foi implementado? Deu certo? Essas questões, entre outras tantas, precisam ser respondidas nessa fase. Nessa fase pode surgir o desejo natural do/a egresso em participar do Grupo de Base, não podendo de maneira alguma essa participação ser uma imposição ou condicionante para continuar o acompanhamento.

Primeiro Passo: “Momento Novo” – acompanhamento dos adolescentes e jovens egressos das unidades nas comunidades;

Segundo Passo: Mutirão – esse passo consiste em envolver os serviços e os demais atores sociais na fase de acompanhamento dos/as egressos. Ser Corresponsável! O mapeamento e o diálogo iniciados na fase de sensibilização, farão efeitos aqui.

Terceiro Passo: Cuidar – nesse passo deve-se canalizar os esforços para cuidar da Família.

6ª FASE: VOAR – essa é a última fase do projeto. Entende-se por “voar” o momento necessário de promover a autonomia e a emancipação dos/as adolescentes e jovens acompanhados pelos/as “Jovens Guardiões”. Proporcionar o voo.

Único Passo: “Eternamente Responsável” – esse último passo não prevê um tempo cronológico: o grupo de base que está acompanhando o egresso deve perceber em que o momento este está preparado para alçar voos mais distantes sozinhos/as.

  • Impactos/Resultados 
  1. Ser referência aos adolescentes e jovens egressos das Unidades da FUNAC;
  2. Comunidades mais seguras e cuidadoras;
  3. Rede Socioassistencial fortalecida;
  4. Redução dos índices de reincidência dos/as adolescentes e jovens egressos;
  5. Redução do êxodo dos/as adolescentes e jovens egressos;
  6. Experiência replicado em todas as 12 dioceses do Regional NE 5;
  7. Projetos de Vida implementados com sucesso;
  8. Grupos de base mais empoderados do seu papel social.

 

Sítio Eletrônico desenvolvido pela © SEATI - Secretaria Adjunta de Tecnologia da Informação e Inovação | www.seati.ma.gov.br